Friday, 18 June 2010

Você fala Porteirês?

O Seu José era o porteiro do nosso prédio lá no Rio. Um amor de pessoa! Sempre de bom humor, com um sorriso no rosto. E adorava puxar um papo!! E era aí que morava o problema...  

O Seu José, como todo porteiro que se preza, falava uma língua, assim, entre o Português e o Esperanto. E rapidinho, rapidinho! Eu, do alto da minha ignorância burguesa, não entendia nada que o Seu José falava.

DoaClaudia, ele começava. Isso dava pra entender, eu sabia que era comigo...mas o resto...  DoaClaudia, hojiocateroteviaqui. Ele falava numa carreira só!

Ah... eu respondia. E pensava: mais detalhes, preciso de mais detalhes...

Achuquiteumaincumenditaaquipasioraxovê... 

Sei... E eu ficava olhando pra ele... aquele olhar obtuso, que atravessa a pessoa, e entrega - pra quem quiser ver - que você não está entendendo porcaria nenhuma do que a criatura está falando. 

Aí ele abria a gaveta e me entregava um Sedex. Ah, uma encomenda pra mim? ‘Brigada Seu José. E eu pegava o elevador correndo, pra ele nao perceber a minha vergonha.

Pior era quando o Seu José interfonava lá pra casa. DoaClaudia? Ai meu deus, pensava eu! Óitêum homiaquiquitaquerenofalacoasiora. Eletadizenoquisichamasegio. Iguazinhooseusegio. E ele dava uma pausa, como que esperando resposta.

Hã?

Pómandasubi??? Opa! Isso eu entendi!! Mandar subir?? Pode Seu José. Manda subir!!! E eu não tinha, é claro, a menor idéia de quem ia aparecer na minha porta.

Um dia descobri que o meu filho, na época com uns 7 anos,  adorava bater papo com o Seu José. Conversava com ele durante minutos, sem parar. E eu ali olhando. Entendendo muito pouco da conversa entre os dois! No elevador perguntei: você entende t-u-d-i-n-h-o que ele fala? E ao ouvir sua afirmação, sorri, impressionada. Meu filho falava Porteirês! E fluente!!

9 comments:

Aline Canuto said...

Ameiiiiiiiiiiiiii! hehehehehehe
Vc sabe "como fala" Patrick em porteires? Pastiski ou para os mais requintados Patrício....mas devo confessar que a pronuncia foi aprimorada apos o Bob Esponja! Bjks

José said...

Muito boa essa sua narrativa. Voltei ao passado. Com dez ou doze anos, lia as cartas que iam de São Paulo para a zona rural de Caruaru via o endereço do meu pai, para pessoas da zona rural. Aprendi muita coisa através dessas cartas num português parecido o "porteirês" mencionado por você. Um cheiro
Torres

Juliana Bernardi said...

Também adorei a historinha. Fico vendo vc contando, narrando pra gente pessoalmente e caio na risada. Ótimo mesmo. Bjs. Sua fã. Ju

Claudia Lordao said...

Pastiski!!! Hahahaha! Amei!

Sheila said...

ahahahaaaaaaa nossa, essa foi a melhor.
tb tenho varias historias de porteiro.
muito bom!

Eve said...

Hahahaha!
Acho que todo mundo já passou por isso.

bjs!

priscila said...

pra aumentar seu vocabulário de porteirês lá vai...
todas as palavras que terminam com -agem, vc pode substituir por -aize.
dessa forma, mensagem vira mensaize, sacanagem, sacanaize, camaradagem, camaradaize, e por aí vai...
também tem o clássico que não termina com -agem, mas segue o mesmo raciocínio.. hoje pode ser pronunciado hoize!

Anazita said...

Vou deixar agora a minha experiência dentro desse contexto.A minha antiga ajudante de limpesa me perguntava.D. Ana tem VANICE, Quando ela queria dizer VANISH, ou então, quer que eu lave o arroi pra senhora? Tem mais mas eu não estou me lembrando no momento.

Anonymous said...

adorei ...

Post a Comment